aa
ab
ac
ad
ae
af
ag
ah
ai
aj
ak
al
am
an
ao
apa
aq
ar
as
ata
au
ava
aw
ax
aya
az
ba
bb
bc
bd
be
bf
bg
bh
bi
bj
bk
bl
bm
bn
bo
bp
bq
br
bs
bt
bu
bv
bwa
Previous Next Play Pause

Ter uma de suas obras tombada na Câmara dos Deputados é, para Paulo Gobo, a expressão do reconhecimento de um trabalho que, infelizmente, nem todo mundo considera. Muita gente ainda vive sob a égide do velho e hostil conceito de trabalho para o qual somente quem atua sob o sol e/ou dispende enorme esforço físico, “suando muito a camiseta” e cumprindo horário sem remuneração condizente é que trabalha e, o que é pior, faz apologias à ela.

A presente proposta nasce de um questionamento feito por alguém sobre o artista: “O que o Paulo faz?” “Ele pinta.” “Ele pinta paredes?” “Não, ele pinta telas. É um artista visual.” “Tá, mas, ele trabalha em que mesmo?”

Esta forma retrógrada de perceber e valorar o trabalho e a distribuição do trabalho no mundo do trabalho faz eco ao senso comum em detrimento do bom senso, pois implica desconsiderar, hostilizando até, o trabalho, a trabalhadora e o trabalhador que não a contemple.

Sabendo isso e pensando nisso, o artista produz a série

Pessoas Trabalhando

em óleo sobre tela, no afã de ponderar sobre estas questões do trabalho, sem, no entanto, furtar-se o dever de com ela problematizá-las ainda mais, afinal, todo trabalho é digno e, quem quer que o exerça também o faz com o intuito de pagar contas, contribuições, impostos, quitar possíveis dívidas e realizar sonhos.

Assim, Paulo opta por representar algumas dessas figuras humanas em ação, na forma palito, que julga condizente com a visão do senso comum que o provoca, arriscando ainda uma homenagem a todas as pessoas que trabalham, informal ou formalmente, invisível ou reconhecidamente, a qualquer tempo, situação de vida ou condição de temperatura e pressão.

Nesta homenagem, em que pese o ensaio filosófico de Albert Camus/1941 sobre o mito de Sísifo, o artista resgata uma versão da história que conhecera antes e busca representar, na gestante subindo a montanha com uma grande pedra nas costas – o “Sísifo” de sua interpretação – não apenas o “operário de hoje” com seus raros momentos de consciência sobre o absurdo de sua punição de carregar uma pedra montanha acima, mas toda e qualquer pessoa que trabalha.